Frase andante

"Feliz é aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." (Cora Coralina)------------------- "Educai as crianças para que não seja necessário punir os adultos." (Pitágoras)

=========================== Bem-vindo(a) =============================

ATENÇÃO. Este blog é apenas mais uma ferramenta de apoio complementar ao conteúdo do livro didático para auxiliar meus alunos e visitantes. Os vídeos e textos apresentados e indicados estão disponíveis na internet e são citados sempre com as referências e fontes. Que este blog seja mais um instrumento de aprendizagem e reforço de conteúdo para todos os visitantes. Seja bem-vindo(a).

====================================================

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Idade Média: castelos, reis, senhores e camponeses.

Idade Média: castelos, reis, senhores e camponeses. 7º ano EF

1. Castelos: grandes fortalezas.
        Diante das invasões e guerras, do início da Idade Média, os castelos surgiram com objetivos defensivos. No início eram construídos de madeira, retirada das extensas florestas vizinhas, graças à habilidade dos camponeses em marcenaria.
        Com o tempo, os castelos se tornaram poderosos, construídos de pedra e alvenaria, com muralhas de 5 a 10 metros de altura e torres erguidas a cada 30 metros, garantindo o pleno controle visual de toda a redondeza. Castelos circundados por um fosso e que possuem acessos com ponte levadiça, que funciona com um sistema de pesos.
 Além de centro de defesa e abrigo para toda a população, quando surge uma ameaça, o castelo é a permanente residência do senhor, sua família, seus cavaleiros e sua criadagem.

2. Rei não passa de fantoche.
        Na Idade Média ocorreu uma progressiva redução dos poderes dos monarcas. Incapazes de oferecer a todos os súditos proteção contra os invasores bárbaros, os reis resignam-se à sua condição de fantoches nas mãos da nobreza.        É nesta condição social que se concentra o poder político. Os senhores feudais, garantindo a segurança da população que residia em suas terras, tem autonomia absoluta para governar, apoiados por seus vassalos.
        Assim, os senhores feudais impõem pagamento de tributos, organizam expedições militares para combater inimigos e administram a justiça em seus domínios sem qualquer interferência do poder real. Sobra então para o monarca o papel de mero figurante, pois não possui qualquer autoridade efetiva, já que não tem exércitos, recursos, nem mesmo prestigio.

3. A vida miserável do camponês.
Os servos constituíam-se na camada baixa da sociedade feudal e na principal força de trabalho.  Os servos formavam a maioria da população camponesa.
O camponês vivia numa choça do tipo mais miserável. Trabalhando longa e arduamente em faixas de terras espalhadas na sociedade feudal, conseguia arrancar do solo apenas o suficiente para uma vida miserável. Pagava uma série de tributos ao seu senhor e ainda trabalhava alguns dias da semana nas terras do senhor, sem receber pagamento.

                A prioridade era sempre a terra de seu senhor. A propriedade do senhor tinha que ser arada primeiro, semeada primeiro e ceifada primeiro. Se uma tempestade ameaça fazer perder a colheita, era a plantação do senhor a primeira que deveria ser salva. Assim, a vida do camponês ser tornava uma vida de trabalho e de condições miseráveis.

Nenhum comentário: