Frase andante

"Feliz é aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." (Cora Coralina)------------------- "Educai as crianças para que não seja necessário punir os adultos." (Pitágoras)

=========================== Bem-vindo(a) =============================

ATENÇÃO. Este blog é apenas mais uma ferramenta de apoio complementar ao conteúdo do livro didático para auxiliar meus alunos e visitantes. Os vídeos e textos apresentados e indicados estão disponíveis na internet e são citados sempre com as referências e fontes. Que este blog seja mais um instrumento de aprendizagem e reforço de conteúdo para todos os visitantes. Seja bem-vindo(a).

====================================================

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Vida no engenho de açúcar do Brasil colonial


             A vida  no engenho de açúcar na colônia brasileira.

Fonte: Nelson Piletti e Cláudio Piletti. História e Vida Integrada. 6ª série. Editoar Ática. São Paulo.

Trabalho escravo.
  Os escravos são mãos e os pés do senhor do engenho, porque sem eles no Brasil não é possível fazer, conservar e aumentar fazenda, nem ter engenho corrente. Por isso, é necessário comprar cada ano alguns escravos e reparti-los pelas roças, serrarias e barcas.
Uns chegam ao Brasil muito rudes e muito fechados e assim continuam por toda a vida. Outros, em poucos anos ficam ladinos e espertos. Aprendem a doutrina cristã, constroem barcos, levam recados e fazem qualquer trabalho. As mulheres usam de foice e de enxada, como os homens. Os que desde novatos se meteram em alguma fazenda, não é bom que os tirem dela contra sua vontade, porque facilmente se entristecem e morrem. Os que nasceram no Brasil, ou se criaram desde pequenos em casa dos brancos, afeiçoando-se a seus senhores, levam bom cativeiro.           
(André João Antonil, Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas.)

O poder do senhor de engenho.
 Se o escravo era as mãos e os pés do senhor de engenho, este, por sua vez, era uma espécie de juiz supremo não só da vida dos escravos, mas de todas as demais pessoas que viviam nos seus domínios: tanto do padre que rezava a missa aos domingos quanto da própria mulher, filhos e outros parentes.
A casa-grande, residência do senhor de engenho do Nordeste, era, de fato, muito grande. Nos seus muitos cômodos podiam viver setenta, oitenta ou mais pessoas. Reinava sobre todos a autoridade absoluta do senhor de engenho, que decidia até sobre a morte de qualquer pessoa, sem ter que prestar contas à justiça ou à polícia. Fazia ele a sua própria justiça (...).
Além da mulher e dos filhos do senhor de engenho, na casa-grande viviam os filhos que se casavam, outros parentes, escravos de confiança que cuidavam dos serviços domésticos, filhos do senhor de engenho com escravas e, ainda, agregados, que eram homens livres, que nada possuíam e prestavam algum serviço em troca de proteção e do sustento.
A grande dominação do senhor de engenho sobre tudo se explica pelo isolamento em que viviam e pela total ausência de autoridade da polícia e da justiça. As cidades eram poucas, muito pequenas e sua influência não se estendia aos engenhos.  As poucas autoridades que viviam nessas cidades ficam distantes dos engenhos, uns também muito distantes dos outros. Assim, a dominação do senhor de engenho acabava se impondo. (...)                              
(Adaptado de Rodolpho Telarolli. O poder da família do senhor de engenho.)

Casamento: um acerto entre famílias.
Ao contrário do que acontece hoje, os casamentos não eram feitos por escolha individual; não eram os noivos que decidiam o casamento, depois de um período de namoro. A escolha era feita pelos pais e não levava em conta a afetividade, a atração de um pelo outro. Eram outros interesses que prevaleciam, principalmente os de parentesco, afim de que as fortunas, por meio das heranças, ficassem entre poucas famílias. Por isso eram comuns os casamentos entre primos e entre tios e sobrinhas.
Depois do casamento o casal passava a mor na casa do pai da moça ou do pai do moço. O filho mais velho tinha autoridade sobre os mais novos, que o tratavam com respeito e podiam ser por ele castigados. Era uma espécie de preparação para substituir o pai, quando este morresse.
(Adaptado de Rodolpho Telarolli. O poder da família do senhor de engenho.) 

5 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom, me ajudou bastante a entender.

Anônimo disse...

Não me ajudou muito,mas o texto é bem explicativo!

Anônimo disse...

anonimo disse...
não poderia ter os personagens importantes?

06/06/2016

Anônimo disse...

me ajudou muito no meu trabalho de historia
PARABENS

Anônimo disse...

me ajudo muito no trabalho de historia e a entender