Frase andante

"Feliz é aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." (Cora Coralina)------------------- "Educai as crianças para que não seja necessário punir os adultos." (Pitágoras)

=========================== Bem-vindo(a) =============================

ATENÇÃO. Este blog é apenas mais uma ferramenta de apoio complementar ao conteúdo do livro didático para auxiliar meus alunos e visitantes. Os vídeos e textos apresentados e indicados estão disponíveis na internet e são citados sempre com as referências e fontes. Que este blog seja mais um instrumento de aprendizagem e reforço de conteúdo para todos os visitantes. Seja bem-vindo(a).

====================================================

terça-feira, 31 de maio de 2016

Civilização Romana - resumo.


Civilização Romana

a cidade de Roma teria sido fundada em 753 a.C., na planície do Lácio, região central da península Itálica. Na época da fundação, a península era habitada por gauleses, etruscos e italiotas (nas planícies centrais) e gregos (ao sul). Entre as tribos indo-europeias, destacavam-se os latinos, habitantes da planície do Lácio.

* Monarquia (753 - 509 a.C.) O rei tinha atribuições administrativas, militares, jurídicas e religiosas. Havia um conselho de anciãos (Senado), que exercia funções legislativas, com poder de veto sobre as leis propostas pelo rei, e uma assembléia da qual participavam todos os proprietários de terras. A economia romana baseava-se na atividade pastoril, e a sociedade era assim dividida: patrícios – camada social dominante, grandes proprietários de terras; clientes – classe intermediária, formada por indivíduos que se colocavam sob dependência ou proteção de famílias patrícias, em troca de prestação de serviços; plebeus – homens livres sem direitos políticos, trabalhavam como camponeses, artesãos ou comerciantes e estavam sujeitos à escravidão por dívidas. No ano 509 a. C., um golpe desfechado pela aristocracia patrícia pôs fim à monarquia.

* República (509 – 27 a.C.) No período republicano, consolidou-se o modo de produção escravista e definiu-se o perfil imperialista da civilização romana. Controlado pela elite patrícia, o Senado passou a ser órgão de maior poder político.
A partir do século V a.C., entrou em guerra contra Cartago, localizada no norte da África, grande potência comercial da época. O conflito foi conhecido como Guerras Púnicas. Entre 264 a.C. e 146 a.C., Roma sobrepôs-se como potência hegemônica e Cartago converteu-se em província romana.
Durante esse período, imensos territórios foram anexados aos domínios romanos, e o mar Mediterrâneo tornou-se um “lago romano” (o mare nostrum). As regiões conquistadas passaram para o controle romano como províncias, e cada uma era administrada por um procônsul.
A expansão territorial trouxe transformações econômicas, sociais e políticas que provocaram uma violenta crise na república. As consequências do imperialismo foram o aumento do número de escravos e a consolidação da economia escravista; o aumento do número e da extensão dos latifúndios; a ruína dos pequenos proprietários; o desemprego no campo e o êxodo rural; o afluxo de riquezas na forma de impostos e produtos de saques efetuados após as guerras de conquista  e os conflitos sociais decorrentes do caos urbano (desemprego) e da crise política ( guerra civil).
O quadro de empobrecimento, tensão social e anarquia generalizada provocaram lutas civis que se refletiram no cenário político. Uma sucessão de golpes e assassinatos marcou o período entre 133 a.C. e 27 a.C.
Entre 133 a.C. e 121 a.C., os irmãos Graco elaboraram um projeto de reforma agrária e a Lei Frumentária, que determinava o fornecimento de trigo e pão a preços reduzidos para a população pobre de Roma.  Tibério foi assassinado e, depois de sofrer violentíssimas perseguições, Caio Graco ordenou a um escravo que o matasse.
Em 60 a.C., um acordo entre as camadas sociais dominantes  resultou na formação do Primeiro Triunvirato. Formado por Crasso, Pompeu e Júlio César, o Primeiro Triunvirato foi a alternativa para solucionar a longa crise política de república romana; porém, Júlio César organizou um golpe que o tornou imperador de Roma e converteu a república em um regime autoritário.
Temendo pelo fim de seus privilégios e reagindo às reformas de César, o Senado conspirou contra o ditador, assassinando-o em 44 a.C. A morte provocou uma grande revolta popular, habilmente explorada pelo general Marco Antônio. Com Lépido e Otávio, Marco Antônio organizou o Segundo Triunvirato, em 43 a.C.
Após conflitos pela tomada do poder, Otávio impôs-se como cônsul único de Roma, que estava prestes a se tornar um império.

* Império (27 a.C. – 476 d.C.) Em 27 a.C, após receber do Senado o título de Augustus, que lhe atribuía poderes divinos e estabelecia o culto ao imperador, Otávio reorganizou as estruturas políticas de Roma e centralizou o poder.
Durante o Alto Império, Roma atingiu o seu apogeu, desfrutando das conquistas territoriais que atingiram seu ponto máximo.
Octávio Augusto dividiu o império em 54 províncias, estabeleceu a paz nas fronteiras (a chamada pax romana) e estendeu a cidadania para cinco milhões de pessoas das diversas regiões sob o controle romano. Para manter o controle social e ampliar o apoio político, distribuía trigo e promovia espetáculos públicos gratuitos, atitude que ficou conhecida como panen et circenses ( política do pão e circo).
O apogeu do Império Romano durou até meados do século III d.C. O crescimento do cristianismo (que criticava a divindade do imperado, o escravismo e as guerras), a crise do escravismo (em decorrência do fim das conquistas territoriais e das críticas dos cristãos), as revoltas nas províncias, a corrupção e as intrigas palacianas, a formação do colonato para substituir a falta de mão de obra escrava e as constantes invasões bárbaras minaram lentamente o poder do império entre os séculos IV e V d.C.
Alguns imperadores tentaram dar sobrevida ao império. Convertido ao cristianismo, Constantino (313 d.C. a 337 d.C.) promoveu uma reforma religiosa, com a instituição do Edito de Milão, que concedia liberdade de culto aos cristãos do império. Teodósio (380 d.C. a 395 d.C.) tornou o cristianismo a religião oficial do império e, numa tentativa de contornar a crise administrativa, dividiu o Império Romano em dois: Império Romano do Ocidente (com a capital em Roma) e Império Romano do Oriente ( com a capital em Constantinopla).
Contudo, a parte ocidental do império caiu definitivamente nas mãos dos germânicos (chamados de “bárbaros” pelos romanos) no ano 476. A parte oriental do império, convertida em Império Bizantino, sobreviveria por mais alguns séculos.

Cultura Romana: Arquitetura (Foi a principal manifestação artística dos romanos antigos. As construções eram marcadas por arcos e abóbadas e técnicas que ampliaram os espaços interiores. Destaque para o Coliseu). Direito (Durante a República foi criada a Lei das Doze Tábuas, marcando o início do desenvolvimento do Jus Civilis, ou direito civil). Latim ( Idioma do qual se originaram o português, o espanhol, o francês, o italiano e o romeno). Religião (Os deuses gregos e algumas divindades orientais foram adotados pelos romanos com nomes latinos. Durante o Baixo Império, o cristianismo atraía multidões, com suas críticas ao militarismo, ao escravismo e ao politeísmo oficial e com propostas de liberdade, amor e paz).
                                         Fonte: História: Ciências Humanas e suas Tecnologias. Caderno de Revisão. Editora Saraiva) 

Nenhum comentário: